terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Começou a temporada 2017, junto dela, uma ponta de preocupação.

Dado início a temporada 2017, a torcida avaiana anda desconfiança. Passada a euforia do acesso, veio junto a preocupação com a temporada que se inicia. Em todas as entrevistas dos dirigentes avaianos, é nos jogado um balde de água fria. Muitas lamentações, faltas de recursos e dificuldades para contratações de qualidade, são sempre as palavras usadas por eles.

Mantivemos a base do ano passado que nos garante pelo menos um time competitivo no estadual, características semelhantes ao time do ano passado, muita transpiração e pouco inspiração. É claro que o estadual nos preocupa, pois é a única competição que entramos com alguma chance de ser campeão, coisa que não acontece desde 2012. Mas esse elenco montado, não nos da essa confiança de pelo menos chegarmos a final.

Até o momento foram contratados o goleiro Douglas, os zagueiros Gustavo e Salazar, o lateral direito Leandro Silva, o volante Ferdinando e o atacante Denilson. Na minha opinião ainda precisamos de 2 bons atacantes, atletas que pudessem vir e aumentar a qualidade deste setor, que nos da muita dor de cabeça há muito tempo.

Também precisaríamos de mais um meia de velocidade, aquela atleta que quebra as linhas, como Wesley por exemplo que está no Ceará, mas acho que um atleta com essas características não virá. O Avaí andou flertando com o atacante Moisés, mas parece que o atleta estendeu seu vínculo com o Vila Nova e também não virá.

Com a desistência de Djavan, o Avaí precisará correr atrás de outro volante. Pois hoje conta apenas com Luan, Judson e Ferdinando. Precisamos de 1 atleta que consiga marcar e chegar no ataque, papel que no ano passado foi executado por João Filipe. Jean Patrick que ano passado jogou pelo Luverdense, seria uma excelente opção. 

Por fim, temos um time pronto para iniciarmos o catarinense e a primeira liga, mas confesso que esperava um pouquinho mais, Mais 2 atacantes de qualidade, 1 meia de condução e velocidade e 1 volante, seriam minhas prioridades. Meu medo é não começar bem, e depois sair bem mais cara o remendo.  Tomara que eu esteja errado!

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Caso Renan: encerrado

Virou novela e um papo muito chato a "renovação" do goleiro Renan. Após o encerramento da Série B, dava-se como certo que o goleiro permaneceria por mais 2 temporadas na Ressacada.

Renan e seu empresário fizeram algumas exigências ao clube, que por sua vez, cedeu e aceitou o que foi pedido por ambos. Mesmo assim, a dupla insistia em pedir mais tempo, o que gerou um certo mau estar entre os diretores do clube e a desconfiança de leilão.

Depois de uma longa espera por parte da diretoria, na noite de ontem, Renan ligou para dizer que não se sentia confortável em assinar com o clube, em virtude dos salários atrasados desta temporada. A partir dai, o Avaí vai em busca de outro goleiro.

Não me incomoda o fato do atleta buscar algo que julga melhor a ele, ou buscar um salário maior. Me incomoda e muito, o fato de tanto Renan, quanto seu empresário, terem feitos exigências ao clube, e o clube ter aceito, e depois desistir.

Renan não foi correto com o clube, sua atitude não foi de um homem de palavra. Quando o atleta e seu empresário fizeram as exigências para a renovação, sabiam de todos esses problemas que o clube atravessa financeiramente. 

O clube fez todo esforço para efetivar a renovação, tanto dele quanto do zagueiro Fabio Sanches. Mas os atletas preferiram seguir seus caminhos. Faz parte, o Avaí não vai fechar por causa deles e de nenhum outro atleta. Não acho certo manter um atleta que não esteja com a cabeça 100% no clube, o Avaí agiu corretamete.

Parabéns a diretoria do Avaí que esteve sempre pronta a honrar a palavra que deu ao atleta e seu empresário, infelizmente não podemos falar o mesmo deles. Que sigam suas vidas, mas o mundo da bola da muitas voltas, e rápido. 

Renan fez uma grande Série B, acho um bom goleiro, mas foi reserva a vida toda no Botafogo. Da mesma forma Fabio Sanches, que até a chegada no Avaí, só havia jogado em times menores. Vamos seguindo, não há porque ficar se lamentando. Lamento apenas o fato de que se permanecesse, Renan viraria ídolo. O Avaí é time grande!

sábado, 10 de dezembro de 2016

Montagem do elenco para 2017

Venho falando que a parte mais importante da próxima temporada, é agora, na montagem de time. O Avaí segue com dificuldades, até mesmo porque ainda tem pendências financeiras a ser quitadas desta temporada de 2016.

Fazendo uma análise dos atletas deste ano, e projetando a temporada de 2017, vou dar a minha opinião sobre os atletas e alguns que poderiam vestir nossa camisa em 2017.

Começando pelos atletas que seriam prioridades de renovação para manter a base de 2017, creio que com a renovação Renan, Alemão ou Luis Gustavo, Fabio Sanches e Capa, assim como a manutenção de Betão, que tem contrato até Junho de 2017, começaríamos muito bem. Marquinhos e Rômulo também tem contrato em vigor, Judson também deverá renovar e Luan já renovou seu contrato.

Dependendo da situação, Renato também poderia ter seu contrato renovado.  Da mesma forma Vinícios Pacheco, que iniciou muito bem a Série B, mas infelizmente teve uma grave lesão no joelho. Diego Jardel com contrato em vigor, certamente também fará parte do elenco, assim como Gabriel.

Sobre contratações, o Avaí precisa estar atento a possíveis perdas. No caso de Renan optar por renovar seu contrato, eu optaria por tentar Agenor e Wilson. Especula-se que Marcelo Lomba e Paulo Vitor estariam em pauta, mas eu preferiria os dois primeiros. Além desses, tem João Ricardo, goleiro que vem fazendo ótimos trabalhos no América Mg.

Para as laterais, precisaremos de reposição. Gosto muito do lateral esquerdo Rafael carioca, que nesta temporada defendeu o Paraná Clube. Para a direita, Apodi seria uma boa opção. Também monitoraria de perto a situação de Leandro Silva, que atualmente defende nosso rival.

Creio que zagueiros é uma das posições mais difíceis, em caso de perda de alguns dos que vestiram a nossa camisa nesta temporada, Natan que pertence ao Palmeiras e esteve esse ano no Criciúma e Antônio Carlos, que já passou pelo Avaí, seriam as minhas opções.

Para volante, Jean Patrick do Luverdense seria minha aposta. Juninho, que atuou esse ano pela Ferroviária no paulista e América Mg no Brasileiro, seria outra boa opção. Volante canhoto, com boa dinâmica de jogo. Sonhando um pouco mais alto, João Schimidt do São Paulo que este ano quase veio para cá, e William Farias, que está no Vitória, seriam dos bons volantes que acrescentariam muito.

Para a meia, para fazer companhia a Marquinhos, Vinícios que jogou a Série B pelo Náutico e pertence ao Atlético Pr e Wescley, meia rápido, driblador, que pertence ao Atlético Mg, mas esteve está temporada no Ceará, seriam minhas opções.

Nosso grande problema este ano foram os atacantes, por isso a diretoria parece estar se mexendo. Segundo a imprensa, Wellington Paulista e Lins já estariam negociando com o Leão. Além deles, gosto muito do atacante Roni, que pertence ao Cruzeiro, mas que jogou a Série B pelo Náutico. Jovem, veloz e com muita força, características que um clube do porte do Avaí precisa para disputar uma Série A.  

Creio que todos estes jogadores citados, não sejam valores absurdos.Com esse grupo no catarinense, certamente brigaríamos forte pelo título. Para a Série A, com alguns ajustes, e mais umas 3 u 4 chegadas, teríamos um time competitivo para pelo menos nos mantermos na elite.

domingo, 4 de dezembro de 2016

Luto #ForçaChape

Desde que acordei na terça feira as 7:35 hs, quando liguei a TV e soube do trágico acidente com a Chapecoense, eu não quis acreditar. Desde então, faltam palavras para descrever tamanha tristeza que tomou o meu coração e de milhões de pessoas.

Toda aquela alegria pelo acesso do meu Avaí e consequentemente a queda do arqui rival Figueirense, parece ter perdido a graça. O futebol é só um jogo, onde se ganha e se perde, mas como costumamos dizer, a vida não acaba. No dia seguinte levantamos, vamos aos nosso trabalhos, cuidamos dos nossos filhos e assim vivemos normalmente.

Hoje a Chapecoense é o "maior" time do estado, um clube exemplar a ser seguido por todos os outros clubes não só de Santa Catarina, mas do Brasil. É lógico que sempre quis vencer a Chape, isso é coisa do esporte, mas hoje sinto a derrota da vida. 

Assim como muita gente, parece que vamos acordar do pesadelo e vamos voltar a tudo como era antes, que esse avião não caiu, e que a trajetória da Chape continuará, sem ter essa pausa. Para mim, é estranho ver um caixão com o nome de Cléber Santana, um cara que tive o prazer de conhecer pessoalmente, e em algumas ocasiões conversar sobre o meu Avaí, sobre o São Paulo, sobre sua passagem pela Europa e Japão.

Todas as homenagens, todo esse carinho recebido pelos chapecoense e familiares das vítimas não os trará de volta, não preencherá o vazio deixado por esses seres humanos, pais de família. Muitas vezes eles eram a única fonte de renda não só deles, mas de todos os outros familiares. Agora vem a parte mais difícil para seus entes queridos, conviver com a dor da perda.

Só podemos deseja muita força, muita luz a todos os familiares que perderam seus entes queridos, pois irão precisar para tocar suas vidas. Muitos destes familiares tem filhos, que precisaram ainda mais dos que ficaram para seguir suas vidas.

O Futebol está de luto, o Brasil está de luto, mas a vida segue. Foi e está sendo um golpe muito duro, mas é preciso respeitar o luto mas seguir em frente. Hoje todos somos Chape, não tenho dúvidas nenhuma que eles irão se reerguer. Um forte e caloroso abraço ao povo de Chapecó e todos os familiares das vítimas!




domingo, 27 de novembro de 2016

Reflexões de 2016 e projeções para 2017

Foi uma ano em que pouco se esperava do Avaí, com a queda para a Série B na temporada passada, afundado num caos financeiro, sem credibilidade, o que nos restava era acreditar na mística e pesada camisa avaiana. No meio desse turbilhão, veio a renúncia de Nilton Macedo, com Francisco Batistotti sendo alçado como presidente.

Um péssimo catarinense, onde novamente o clube brigou para não cair. Um primeiro turno muito ruim, ficando apenas 3 pontos da zona de rebaixamento. Com a saída de Silas e a chegada de Claudinei, aliada a volta de Marquinhos, a contratação de Betão, e a efetivação de Joceli dos Santos no departamento de futebol, o Leão engatou os caminhos da vitória e conseguiu o acesso.

Digo isso, porque eu era totalmente contra a presença de Batistotti na presidência do Avaí. E não porque não goste dele, até mesmo porque não o conheço, mas por ele estar participando nos anos anteriores na administração clube, onde a dívida aumentou de maneira absurda por falta de gestão. Sim, Batistotti foi responsável pelo financeiro e vice presidente no ano passado.

É bem verdade que ninguém sobe sem méritos, acho que no caso desse ano, os atletas, funcionários e departamento de futebol, tem o mérito total do acesso. Pois mesmo com salários atrasados, desorganização, eles foram extremamente profissionais e honraram a camisa do Avaí. Na minha opinião, era um dos times mais limitados que vi jogar, mas com toda certeza, o mais eficiente. 

Voltando ao presidente Batistotti, ele também teve méritos pelo acesso, soube absorver as pancadas que levou, diga-se de passagem justas, e entra na história com o acesso. Foi inteligente ao estreitar as relações com o empresário Eduardo Uram, pois além de não ter dinheiro, o Avaí não tinha credibilidade, adquirida junto a outros clubes e empresários de atletas, através do mesmo Eduardo Uram.

Problemas administrativos, muitos colaboradores desqualificados para exercer funções importantes para o funcionamento do clube ainda estão presentes na gestão Batistotti. Isso tudo não se apaga apenas com um acesso. Batistotti tem a grande chance de transformar-se no presidente que deu uma virada dentro do Avaí. Se ele realizar as ações que vem prometendo, 2017 será um ano bem mais tranquilo e de transformações no Avaí.

Terei o maior prazer de no final da temporada de 2017 vir aqui nesse mesmo espaço e elogiar as ações de Batistotti, porém hoje, ainda lhe vejo com muita desconfiança. É inadmissível que no Mês de Agosto, o clube já tenha usado todo o seu orçamento e ficar sem receitas e com salários atrasados. Espero que esse novo acesso, esse aumento significativo nas receitas para a temporada de 2017, sirva para uma "reconstrução" administrativas e que a gente não passe mais por situações como esta. No mais, que tenhamos todos um final de ano com muita saúde, e um ótimo 2017. Parabéns a torcida do avaiana, que novamente fez a diferença. UMA BOA SEGUNDA!

sábado, 23 de julho de 2016

A incompetência se instalou no sul da ilha

As vitórias seguidas contra Vila Nova e Vasco deram um fôlego ao Leão, talvez nos fez sonhar com algo um pouquinho maior, porém a realidade voltou a bater forte forte em nossa porta. Nosso clube está uma bagunça, tem como presidente o cara que "geria" o dinheiro ano passado, e fez "sumir" a grana, não tendo um tostão a partir de Agosto.

Francisco Batistotti não tem a mínima condição de ser presidente de uma instituição como o Avaí, se quer postura esse senhor tem. Chegou falando em choque de gestão, contratações de atletas de "série a", tudo conversa fiada, coisa para enganar o já desconfiado torcedor.

O administrativo do clube continua o mesmo, os mesmos incompetentes ainda permanecem trabalhando no Avaí. Porque? Qual o medo de demitir esses caras, sabem de mais? Rabo preso?

O que Marcelo Gonçalves faz ou fez para estar em um dos cargos mais importantes, se não o mais importante do departamento de futebol? A única contratação que se tem notícia feita por ele, foi do seu escudeiro Agnello Gonçalves, que até agora, também não se sabe para que veio. Estão apenas onerando os cofres do clube, até mesmo que dizem que há muitas diferenças entre Silas e os Gonçalves.

Partindo para dentro das 4 linhas, já temos um time extremamente limitado, e mesmo assim Silas consegue piorar. Gostaria de saber quem é o empresário do tal de Luan, indicação de Silas, que é muito pior que Judson e muito pior que Braga. Porém é titular absoluto, jogador cintura dura, pesado e lento. Todo lance que disputa, faz falta. Da mesma maneira não entendo a insistência em William, outrora ídolo da torcida avaiana, hoje não reúne  a mínima condição física para estar em campo. 

É Silas quem escala, portanto um dos maiores, se não o maior culpado. Sua teimosia principalmente no início de campeonato, nos custou pontos importantes que poderiam nos dar tranquilidade. A insistência insana em Tauã, e João Paulo por exemplo, são coisas que não entram na cabeça do torcedor avaiano. 

Quando a coisa está feia é que sabemos se temos um treinador de verdade ou não. Ontem Silas mostrou-se fraco e ultrapassado, tomando o gol com menos de 1 minuto de jogo e tendo um jogador expulso aos 30 do primeiro tempo, Silas bagunçou ainda mais o time. O placar só não foi mais elástico, devido a falta de qualidade do Náutico. 

Nosso futuro esta em cheque, é para se pensar. Nós torcedores avaianos queremos mesmo Francisco Batistotti como presidente? E os "zeros" a esquerda dos Goncalves comandando o departamento de futebol? Para completar, Silas já está fazendo hora extra. Aliás, se dependesse de mim, jamais teria voltado ao clube. Com a resposta, o torcedor avaiano!


quarta-feira, 15 de junho de 2016

O buraco é logo ali

Era para estarmos falando dos jogos, do desempenho do time, das virtudes e limitações do nosso elenco, mas a coisa está tão feia, que é impossível não falar do fraco treinador e do extra campo.

A cegueira do treinador Silas é tão irritante, que é impossível não achar que ele está de sacanagem. Não é possível que na contra mão de tudo e todos, o "treinador" avaiano joga com um meio de campo esvaziado, sem marcação e muito menos saída de bola. 

Não entra na minha cabeça, como um treinador de futebol em pleno século XX!, jogo com apenas 2 homens de meio de campo. Sendo que são dois garotos, e ambos com características de meias e pouca pegada.

Senão bastasse esse esquema completamente imbecil, é impossível entender as escolhas de Silas. O volante Braga que foi preterido sabe-se lá porque pelo comandante avaiano, entrou no sábado contra o Joinville apenas por necessidade, e foi muito bem, mesmo assim ficou no banco do recém contratado Luan.

William e Tatá são outros dois jogadores que não fazem por merecer a vaga de titular, para começar é nítido a péssima forma física dos de ambos. Aliás a entrevista após o jogo contra o Joinville concedida pelo centroavante William, beira ao ridículo. William saindo na defesa do treinador Silas, criticou a torcida avaiana, por estar vaiando o péssimo trabalho do comandante avaiano.

William disse em alto e bom som, que o torcedor avaiano não tem memória e é ingrato, por tudo que o Silas ganhou pelo clube. Só para refrescar a memória do atacante William, todas as passagens de Silas por aqui, que eu saiba ele não veio de graça. E mais, todas as vezes que recebeu uma proposta melhor financeiramente, assim como o próprio William sempre fez, se mandou. Tanto não temos falta de memória que nós torcedores jamais queríamos a volta tanto de William, como do treinador Silas.

Inclusive a contratação do obeso William, foi mais M.... feita pelo atual presidente Francisco Batisttotti,  que na época passou por cima dos homens do futebol, e juntamente com o então estagiário Evando, foram a Fortaleza para busca-lo.

O Avaí está sem comando, o clube numa crise terrível, e o presidente no Japão, em reunião com o pai do Toshi. Gonçalves não manda nada, está ali apenas para levar cachecol em show e entregar a cantores. Agnello Gonçalves não serve para nada, até hoje não sabemos a sua função, apenas onerando a folha de pagamento.

Não vejo ninguém com força para peitar e dar um soco na mesa, acabar com essa baderna e várzea que se instaura há tempos no Avaí Futebol Clube. Ou comece a faxina demitindo Silas, ou cairemos para a Série C, infelizmente é a nossa realidade!