sábado, 13 de fevereiro de 2016

Melhor do que eu esperava, mas muito abaixo das nossas tradições

Confesso que quando vi a escalação do Avaí, no jogo diante da Chapecoense, temi pelo pior. Olhando o nosso time totalmente desfigurado, recheados de atletas da base, alguns sem nenhum experiência me deixou assustado. 

Quando a bola rolou não foi isso que vimos, assisti a um jogo extremamente equilibrado e que transformou o goleiro Danilo da Chape, em um dos melhores homens em campo. Se já temos dificuldades com todos os atletas a disposição, imagina atuar diante do favorito ao título, em um campo neutro, totalmente desfigurado.

No final, o placar de 2x1 nos deixou com certo alívio, pois parecia que a goleada viria. Vimos um time organizado em campo, embora que pouco entrosamento, mas com muita falta de qualidade. Fiquei satisfeito com o que vi, pois esperava muito pouco e acabei vendo um time criando diversas chances. Inclusive, o jogo que mais criou ofensivamente.

Mas obviamente me causa muita preocupação essa mentalidade, perder por pouco, ou não perder, passou a ser a tônica com esse elenco que foi montado. É triste ver o Avaí se comportando como time pequeno, Nilton Macedo Machado está acabando com um clube quase centenário. O que mais me assusta, é essa inércia e demora do conselho Deliberativo em "arrancar" esse presidente do poder. O Conselho Deliberativo é tão culpado quanto a esse presidente que está no comando.

Estamos em colapso, atletas desde o ano passado sem receber salários, sem patrocínio master há quase 2 anos e simplesmente ninguém faz nada para destituir esse presidente. Nilton Macedo Machado não está nem ai para o Avaí Futebol Clube.

Querer cobrar da comissão técnica com esse material humano que eles tem em mãos parece absurdo, aliás que outro treinador fará melhor que o Raul com esse elenco? Ninguém quer vir para o Avaí, essa fama de mal pagador que Nilton Macedo Machado deixou o clube chegar, já correu o Brasil. 

Infelizmente essa é a realidade, amanhã em Joinville mais uma vez temo por ser goleado. Não temos volantes para o jogo de amanhã, provavelmente iremos novamente de Renato Jr e Braga. Vergonha, esse é o sentimento que temos dessa diretoria e desse presidente. Mais uma semana se passou e nada, esperando que alguém do conselho tenha a coragem de tirar o Amado do poder antes que seja tarde!

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Vitória convincente do Leão

Foi uma vitória consistente, uma atuação muito boa e muito acima do que eu esperava principalmente neste início de competição. O bom jogo passou muito pela excelente partida que fez Diego Jardel, aliás, méritos totais de Raul Cabral e sua comissão técnica, que mudou o posicionamento do meia sendo decisivo na vitória avaiana com 2 gols e boas assistências.

Em nenhum momento o Avaí correu perigo no jogo, com paciência e boa posse de bola, o Leão construiu uma vitória consistente, e que enche de esperanças o torcedor avaiano. A entrada de João Filipe e principalmente Rafinha, deram qualidade e consistência no setor de meio de campo.

Vitor Costa que havia feito 30 minutos muito ruim em Criciúma, também fez um bom jogo, deixando a impressão que pode crescer muito durante a competição. Renato que causou boa impressão no jogo contra o Grêmio e repetiu a boa apresentação na noite de ontem, principalmente no ataque. Tanto Renato quanto Vitor Costa ainda deixam buracos no setor defensivo, mas que pode facilmente serem resolvidos.

Individualmente, todos os jogadores foram bem, fato este que tornou o coletivo muito forte na noite de ontem. É claro que é muito cedo, são apenas 4 jogos oficiais, mas o técnico Raul Cabral começa a dar uma cara ao time. O zagueiro Gabriel recém promovido da base vem crescendo de produção, talvez um dos nossos problemas tenha a solução mais perto do que imaginamos. 

Claro que é um time em formação e ainda assim muito jovem, na entrevista pós-jogo o treinador Raul Cabral foi claro ao dizer que ainda espera oscilação desta equipe. Já no próximo domingo de carnaval enfrentaremos o Camboriú, fora de casa. Esse jogo pode ser um divisor de aguas, fazendo outro bom jogo e conseguindo um resultado positivo, poderá dar tranquilidade ao jovem grupo avaiano e trazer uma confiança ainda maior. Que venha o próximo desafio.



quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Preocupante nosso início de temporada

Diferente de dias atrás quando vislumbrava-se um futuro um pouco melhor do Avaí, havia a promessa de pagamento dos salários atrasados da temporada passada, ou pelo menos parte deles. O perfil dos atletas contratados davam esperanças ao torcedor, mas hoje a nossa realidade é outra completamente diferente.

O Leão partiu em pré-temporada para a cidade gaúcha de Gramado com poucos atletas contratados, e pior do que isso, com apenas João Filipe como zagueiro, atleta este que foi trazido para jogar como volante. Só relembrando um pouquinho a temporada passada, sofremos o ano todo com falta de zagueiros. Fomos a defesa mais vazada do Campeonato Brasileiro, o que fatalmente nos levou ao rebaixamento.

Chegamos ao cúmulo, de ter que utilizar Evando e o recém contratado como auxiliar técnico Fernando Gil para completar coletivo. Já começamos errado, improvisando na parte mais importante da temporada, pois seríamos aonde nos prepararíamos para aguentar o tranco o restante do ano.

Daqui a uma semana teremos o primeiro jogo oficial da temporada, e nosso adversário será o Grêmio. Não jogaremos contra um time qualquer, contra um time de nosso Campeonato Estadual, e a chance de acontecer um desastre é muito grande. Uma pancada de início, poderá nos custar muito caro e depois para achar o rumo novamente poderá demorar bastante tempo.

Não vejo outra alternativa se não a saída imediata do Presidente, será que ninguém no clube (entenda-se o conselho deliberativo), consegue enxergar? Enxugar a máquina, demissão de grande parte do administrativo (para não dizer todos), é o único caminho que poderá salvar o clube de um futuro nebuloso.

Nilton Macedo Machado, conhecido como Amado, não tem mais a mínima condição de seguir em frente. Ninguém no clube mais  o quer como presidente (menos os puxa-sacos, que vivem a mamar nas tetas do clube). É preciso tomar-se uma decisão definitiva enquanto ainda tem tempo. É possível salvar o ano, mas tudo isso passa pelo afastamento imediato do mandatário do clube. Estamos avisando, infelizmente não temos poderes para afasta-lo da presidência. Com a palavra, o Conselho Deliberativo.

domingo, 10 de janeiro de 2016

Promessa de dias melhores

Ainda sofrendo com a desastrosa administração do clube, o Avaí vai tomando cara de time para a temporada 2016. Com a confirmação da contratação de Renan, João Felipe, Vitor Costa, Judson, Renato e Lucas Fernandes, o clube seguiu para a pré-temporada em Gramado.

O grupo viajou a serra gaúcha com apenas 21 atletas, muitos desses sendo garotos oriundos das categorias de base. A boa notícia foi a permanência de William (pelo menos por enquanto), e o retorno de Diego Jardel. Ainda devem chegar 2 zagueiros, 1 volante e no mínimo mias um atacante (jogador esse que tem negociações avançadas).

Alguns atletas que estão na Copa São Paulo de Júnior devem ser incorporados, deposita-se muitas fichas em Chapecó e Raphinha. Outra boa notícia é que segundo o repórter Guilherme Hems, terça feira a diretoria deverá quitar os atrasados com os atletas remanescentes da temporada passada. Claro que ainda não será suficiente, pois ainda tem uma dívida grande com os atletas que saíram para outros clubes.

O trabalho do treinador Raul e de sua comissão técnica será de suma importante, pois será um time completamente novo que deverá estrear contra o Grêmio, primeiramente na Copa Sul-Mins-Rio, e posteriormente contra o Criciúma, na capital brasileira do carvão.

É verdade que no futebol não temos muito como pedir paciência, mas infelizmente após toda essa reformulação, precisaremos ter um pouco de paciência. A mesma paciência que tivemos, por exemplo, quando nosso time era dirigida pelos fracos Geninho e Gilson Kleina. 

Mesmo com todas as dificuldades, entendo que começaremos melhores que na temporada passada. Para começar, não teremos aquela barbeiragem cometida pela diretoria, de deixar o treinador apresentar-se 15 dias após os demais profissionais.

Me agrada a montagem do grupo que esta sendo feita, com pouco dinheiro em caixa (para não dizer nenhum), e pouca credibilidade, confesso que esperava bem menos. Para o Catarinense, sabíamos que haveria pouca grana para montagem de um elenco mais forte. Isso aumenta a responsabilidade dos homens do futebol avaiano, pois obrigatoriamente terão que errar bem menos. Vamos aguardar os próximos acontecimentos, mas me agrada o que estou vendo até o momento.

sábado, 2 de janeiro de 2016

Começou a temporada 2016

Terminamos o ano em baixa, com um rebaixamento nas costas e atrasos vergonhosos de salários, esse foi o saldo da administração Nilton Macedo Machado na temporada 2015. Inúmeras contratações de baixíssima qualidade, manutenção de um treinador fraco, e o inchaço no administrativo do clube, foram alguns dos motivos que nos levaram a voltar a Série B.

Com a volta para a Série B, a cota de tv também diminuiu muito. Sem dinheiro e sem credibilidade, chegou o momento do clube se reinventar, correr contra o tempo primeiro para pagar o departamento de futebol que esta atrasado a 3 meses, para depois ir atrás de receitas. Também é preocupante o acordo feito na justiça com os atletas, o clube através de seu presidente, comprometeu-se a pagar uma quantia na justiça, e pelas informações, o clube não cumpriu com o combinado.

Alheio a isso tudo, o Avaí flertou com Eduardo Costa para ser o responsável por toda área de futebol clube. Não consegui enxergar melhor nome para o momento. Avaiano, filho da terra e muito inteligente, Eduardo chegaria ao clube para colocar ordem. Além disso, o ex-volante avaiano chegaria ao clube com 3 investidores já pré acertados.

Caiu no colo de Gonçalves um dos cargos mais importantes do clube, esperamos que ele tenha a capacidade, mesmo com as dificuldades que viemos atravessando, para fazer um time competitivo.


CONTRATAÇÕES E ESPECULAÇÕES:
A imprensa da como certo o acerto com o zagueiro João Filipe e o atacante Lucas Fernandes. O atacante que estava emprestado ao Luverdense, mas pertence ao Fluminense. Segunda a impresna goiana, Ramires ex-Vila Nova e considerado o melhor volante da série b, também esta acertado com o Avaí. Mesma situação do jovem Judson, que foi destaque do América de Natal no ano passado.

Outra jogador que vem sendo especulado no Avaí através da imprensa é o lateral Renato, jogador que pertence também ao Fluminense, foi destaque no ABC antes de chegar as laranjeiras. Nixon, jovem atacante do Flamengo também teve seu nome vinculado como um dos possíveis reforços. E a última notícia é que um dos goleiros que interessa ao Avaí é Renan, goleiro que estava no Botafogo mas não terá seu contrato renovado. Se confirmar a contratação de Renan, será um ótimo nome para esta temporada que se inicia.

A verdade é que o clube não confirma e nem fala em nome de atletas, todas essas notícias foram colhidas via imprensa, tanto da capital, como pela imprensa de outros estados. Vamos aguardar, mas esses nomes para iniciarmos a temporada me agrada. Esperamos que o time seja competitivo, certamente lutaremos contra as nossas limitações financeiras.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Avaí elege vilões da temporada, by Rodrigo Faraco

Em resumo, o presidente Nilton Macedo Machado demitiu dois integrantes do departamento de Futebol – Carlos Arini e Chico Lins – e liberou todos os atletas do empresário Eduardo Uram. São reformas superficiais e que não mexem profundamente no que deve ser mexido. Na verdade, o que o Avaí fez, na prática, foi eleger os vilões e dizer para a torcida que eles estavam fora do clube. Neste pacote então, Carlito, Chico e Uram são os vilões, o clube “identificou os problemas” e agora eles não mais existem. A mensagem implícita que fica é que eles foram os responsáveis pelo rebaixamento e, por isto, estão fora do clube. O que é um erro. A primeira coisa que o presidente do Avaí deveria fazer na coletiva deveria ser repetir o presidente do Vasco, Eurico Miranda, e assumir a responsabilidade pelo rebaixamento. Se teve os méritos do acesso 2014, deveria ter assumido o rebaixamento 2015 também.
O departamento de futebol
Primeiro é preciso dizer que o departamento de Futebol do Avaí foi montado ao contrário. Primeiro estava Chico Lins, veio então Carlito Arini e depois teve poderes o vice-presidente de Futebol Francisco Battistotti. O correto seria – para qualquer clube – primeiro escolher o vice de Futebol, que iria montar, com gente de confiança dele, o seu departamento. Como resultado dessa montagem às avessas, o grupo do futebol do Avaí nunca se entendeu. Havia uma divisão permanente. Chico e Arini de um lado e Battistotti de outro.
Autonomia
Chico Lins esteve praticamente sozinho no departamento de Futebol no ano passado – o ano do acesso. Permaneceu no departamento por este mérito. Carlito Arini voltou ao Avaí no início deste ano com os méritos do título de 2012 no currículo. Battistotti era para ser o homem do dinheiro – “da chave do cofre”, como o presidente disse no discurso de posse – mas passou a comandar o futebol. Estava no lugar errado, portanto. E amarrando as ações de quem tinha bagagem no futebol, a dupla Arini e Chico. Um dos grandes erros da dupla foi aceitar trabalhar sem ter total autonomia. Battistotti não deveria estar no futebol e acabou também não conseguindo fazer a parte financeira do clube: os salários atrasados mostram.
Eduardo Costa
O Avaí conversa com Eduardo Costa para assumir o departamento de Futebol. O anúncio pode sair hoje, inclusive. Mas há um maior entrave para o acerto. É justamente a questão da autonomia. Eduardo Costa quer ter liberdade para trabalhar e reconstruir o futebol do Avaí. E avalia que tem muita coisa para fazer. Se não for com autonomia, não vai querer.

Nota do Blogueiro: Essa foi a coluna do jornalista Rodrigo Faraco no dia de hoje, ele conseguiu resumir em poucas palavras, o mesmo sentimento que tive quando ouvi a infeliz entrevista do presidente Nilton Amado Macedo. Falou-se mais do pastel do que a crise institucional e futuro do Avaí para a temporada de 2016. A única coisa que faltou neste texto, na minha opinião, foi dizer que o principal responsável por este caos é o presidente Nilton Amado Macedo. Não foi capaz de conter as ingerências no departamento de futebol, de cobrar das áreas responsáveis um patrocinador master decente e o principal de tudo, atrasou os vencimentos de atletas e colaboradores. Sem contar no excesso de poder a Francisco Batistotti. Um verdadeiro desastre no quesito administração e gerência!

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Da incompetência ao rebaixamento

Não foi no jogo de ontem que fomos rebaixados, o clube já vem cambaliando desde o início desta gestão, sendo salvo no ano passado, pela desapropriação de um terreno que pertencia ao Avai. Uma administração desastrosa, que vem na continuidade e no modo arcaico de dirigir, desde a época do presidente Zunino.

Ingerência em todas as áreas, excesso de colaboradores, atrasos de salários e o principal, uma incompetência sem tamanho, se alojaram no sul da ilha nos últimos 10 anos no mínimo. Fazendo a retrospectiva das inúmeras bobagens só deste ano na gestão Nilton Macedo e seu bando de incompetentes, temos a certeza de que a foi escrito certinho a cartilha do rebaixamento.

Caso 1: Após o acesso, permitiram que o ultrapassado Geninho chegasse com 2 semanas de atraso em relação aos jogadores e outros membros da comissão técnica. Eu já não havia engolido o fato deste mesmo treinador, ter faltado a um jogo por ter o casamento de seu filho.

 Caso 2: Marquinhos, o principal jogador do clube , havia sido punido pela confusão no clássico do ano passado. Julgado e condenado a 10 jogos de punição, o advogado do Avaí, Sandro Barreto, perdeu o prazo de recorrer e assim, o caso de M10 não teve recurso, sendo julgado a revelia, palavras do presidente do TJD/SC, Robson Vieira. Marquinhos é o único jogador no mundo que se tem notícias que cumpriu toda sua pena.

Caso 3: O Avaí vinha mal no Campeonato Catarinense, quando ensaiva-se uma reação, com uma vitória sofrível contra o fraco Marcílio Dias, veio a bomba. Antônio Carlos, que já estava no clube desde o início da temporada, foi a campo sem contrato assinado. Uma vergonha para um clube profissional de 1º divisão, ter um jogador escalado sem contrato. E pior, ninguém foi punido, todos que cometeram a lambança, continuam a trabalhar no Avaí. O site oficial do clube lançou uma nota, colocando o nome de Carlito Arini como um dos responsáveis. Horas depois, esse mesmo site. retratou-se, pedindo desculpas ao profissional.

Caso 4: Iniciou-se o Campeonato Brasileiro sem patrocínio Master, aliás, até hoje não foi cobrado os meses que o Avaí fez propaganda de graça com aquela famosa empresa chinês, um amadorismo sem tamanho. Também não tem-se notícias que o clube acionou a tal empresa.

Caso 5: Em Agosto, o clube já não tinha mais dinheiro para cumprir suas obrigações com seus colaboradores e atletas. Com uma receita total de quase 60 milhões, o dinheiro esvaiu-se pelos ralos da Ressacada. Sem terreno para desapropriar, o Leão sofre em mais um ano com a falta de gestão do clube, uma verdadeira vergonha.

Caso 6: André Lima chegou como a solução dos nossos problemas, obeso, sem a menor condição técnica, resolveu falar. Obviamente que não poderíamos esperar nada de bom desse cidadão, chamou o gramado da Ressacada de pasto para o Brasil todo ouvir. Como recompensa, teve seu salário reajustado em meados de Agosto, mesmo sendo reserva e estando fora de forma.

Caso 7: Fomos surpreendidos pelo desabafo da esposa do presidente, na ocasião, ela exige a saída do "Amado". Com muitos argumentos, usou como um deles, a saúde financeira do clube. Nilton Amado Macedo deveria ter ouvido sua Amada e renunciado. Não o fez, e hoje é considerado por mim, o pior presidente da história do clube.

Caso 8: O Avaí levou 34 intermináveis rodadas para demitir o fraco do Gilson Kleina, verdade seja dita, sua cabeça já havia sido pedida pelos homens do departamento de futebol (Chico Lins e Carlos Arini). Mas Nilton Amado e Batistotti eram contra. Com a ingerência de Batitotti na área de futebol, prevaleceu a sua vontade em manter esse perdedor no comando técnico.

Esses foram os pontos que eu considero preponderantes para nossa queda, meu medo nunca foi de cair, pois se caíssemos organizados, teríamos grandes chances de voltar já no ano seguinte. E agora, como faremos com esses meses todos de salários atrasados? Não vejo outra alternativa, é preciso exigirmos as saídas de Nilton Amado Macedo e Batistotti, pois se não, nosso 2016 será tenebroso.